domingo, 27 de janeiro de 2013

A oração de Niestzche



Aos que conhecem o filósofo que anunciou a "Morte de Deus", em seu livro: "A Gaia Ciência" enfatizando que o homem tinha que se emancipar da idéia de Deus, para alcançar o (Alem-do-Homem ou Super-Homem) “Übermensch”, como disse em sua outra importante obra: "Assim Falou Zaratustra". Estou me referindo a: Friedrich Nietzsche. Lendo um livro de Augusto Cury, me deparei com essa belíssima oração de Nietzsche - traduzida por Leonardo Boff -, que achei fantástica. Em suas palavras, é notório sua fuga incessante de Deus, mas, ao mesmo tempo, um coração sedento por Ele.

Transcrevo-lhes a oração:

Oração ao Deus desconhecido*

Antes de prosseguir em meu caminho e lançar o meu olhar para frente uma vez mais, elevo, só, minhas mãos a Ti na direção de quem eu fujo.

A Ti, das profundezas de meu coração, tenho dedicado altares festivos para que, em cada momento, Tua voz me pudesse chamar.

Sobre esses altares estão gravadas em fogo estas palavras:"Ao Deus desconhecido”.

Teu, sou eu, embora até o presente tenha me associado aos sacrilégios.

Teu, sou eu, não obstante os laços que me puxam para o abismo.

Mesmo querendo fugir, sinto-me forçado a servi-lo. Eu quero Te conhecer, desconhecido.

Tu, que me penetras a alma e, qual turbilhão, invades a minha vida.

Tu, o incompreensível, mas meu semelhante, quero Te conhecer, quero servir só a Ti. [Friedrich Nietzsche]

Simplesmente lindo. Claro que não tenho nível técnico para dizer algo do pensamento de Nietzsche, reduzindo seu pensar de uma forma imediatista e simplista. Mas, a meu ver, o que fica patenteado é que, Nietzsche ao se referir ao "Deus esta morto", estava se emancipando da ideia do "Deus" da religião, da intolerância, da ignorância e do fideísmo irracional e fundamentalista que tanto causou e causa massacres e barbáries. E, olhando por esse viés, deveríamos também matar esse "Deus" criado pelo imaginário humano, tão distante do Deus verdadeiro de amor e de paz que é Jesus. 

- Josias Silva

* Cf. Friedrich Nietzsche in: Augusto Cury, Os segredos do Pai Nosso, p148 

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

A Reforma Protestante e a espiritualidade clássica (Osmar Ludovico)





A chamada igreja evangélica atual tem origem na Reforma, e ao longo do tempo recebeu a contribuição de diversos movimentos como: anabatismo, puritanismo, pietismo, avivamentos do século XVIII, sociedades missionárias, fundamentalismo, pentecostalismo clássico, missão integra. O conjunto destes movimentos iniciados com a Reforma é o que conhecemos como Protestantismo. Vivemos atualmente sob o impacto do controverso movimento neo-pentecostal. Foram sopros do Espírito Santo ao longo da História, intervenções de Deus para dentro da realidade humana, com suas instituições, seu poder político e econômico. Nenhum destes movimentos é perfeito, cada um deles tem sua luz e sua sombra. É um equivoco abraçar algum deles incondicionalmente. A tendência que se observa é abraçar um destes movimentos como a última e definitiva revelação de Deus e excluir os demais, considerando-os inferiores e muitas vezes até hereges.




Como cada um destes movimentos tem aspectos positivos e negativos, torna-se fácil criticá-los e combatê-los, principalmente porque geralmente a partir da segunda e terceira geração depois da visitação de Deus, a tendência é o engessamento e a institucionalização com suas estruturas de poder.



Ser evangélico hoje significa andar nos passos dos reformadores e destas outras contribuições, seja buscando alguma integração, seja na ênfase de uma só delas. No entanto, não se trata de eleger uma ou outra, mas de discernir o sopro do Espírito que, de tempos em tempos, renova algum aspecto que foi negligenciado ou esquecido da teologia e da prática de Jesus de Nazaré. Trata-se de julgar e reter o que há de bom em cada uma delas e receber com alegria esta preciosa herança, aprendendo com a História e com aqueles que trilharam o caminho da fé, da esperança e do amor antes de nós.



A Reforma aconteceu no século XVI. O que podemos aprender dos primeiros mil e quinhentos anos da história da igreja? Muitos evangélicos esclarecidos dizem: nada. Antes da Reforma só existiam duas igrejas cristãs: a Romana e a Ortodoxa. Lutero e Calvino eram agostinianos e lemos abundantes citações dos Pais da Igreja nas Institutas de Calvino. Precisamos confessar, como evangélicos, nosso preconceito e orgulho. Pois, até hoje, olhamos com suspeita para tudo o que aconteceu no seio da Igreja de Cristo anterior à Reforma, por considerar esta contribuição como Católica Romana, e achar que, do catolicismo, não pode vir nada valioso.



O fato é que, durante os primeiros mil e quinhentos anos de História da Igreja, o Espírito Santo também soprou várias vezes. A Espiritualidade Clássica engloba a contribuição dos santos e doutores da igreja nos movimentos da Patrística, da Monástica e da Mística Medieval, isto é, o vento do Espírito anterior à Reforma.



O que se observa hoje é que alguns protestantes se debruçam sobre este período, a Espiritualidade Clássica, com o desejo de aprender e integrar na experiência evangélica aquilo que há de bom. Evangélicos como Hans Burki, James Houston, Eugene Peterson, Alister McGrath, Richard Foster, Ricardo Barbosa estão redescobrindo a riqueza da Espiritualidade Clássica, como contribuições vitais para a igreja de hoje. Católicos contemporâneos também buscam resgatar esta tradição: Henri Nouwen, Anselm Grun, Thomas Merton e outros. A Comunidade de Taizé, fundada pelo reformado Irmão Roger, tem alcançado muitos jovens na Europa e outros países, com sua proposta de reconciliação, integrando o que há de bom nas tradições ortodoxa, católica e reformada.



É uma falácia achar que a Reforma do século XVI, apesar de sua importância fundamental, é o único e definitivo mover do Espírito Santo na História da Igreja, e que nada de bom aconteceu nos séculos precedentes. Felizmente para nós estes antigos movimentos estão documentados e podemos aprender com eles.



Alguns esclarecimentos que se fazem importantes acerca da Espiritualidade Clássica:



1) Não é um produto. Não é mais uma mercadoria na prateleira religiosa para um mercado ávido por consumir novidades. Mas, trata-se de um olhar mais profundo para os conteúdos e a prática da fé cristã, ancorado na experiência com a Palavra e com o Espírito Santo, para vivermos a vida de Cristo em nós.

2) Não é uma prática mística, alienante baseada em técnicas religiosas que produzem sensações agradáveis e felicidade instantânea. Suas ênfases no silêncio e na solitude, na meditação e na contemplação não são fins em si mesmo, mas meios para uma vida de santidade e serviço ao próximo. Com a Lectio Divina, nós evangélicos podemos resgatar uma leitura bíblica com o coração, com os afetos.

3) Embora a monástica seja muito mal vista pelos evangélicos, é inegável seu impacto no Ocidente. No século III, após a conversão de Constantino e do cristianismo se tornar a religião oficial do império, homens e mulheres se retiraram em regiões ermas e remotas para orar e ler a Bíblia. Surgiram os mosteiros e as regras. Ao redor do mosteiro floresceu a civilização ocidental: a biblioteca gerou a academia, o espaço do sagrado atraiu artistas, o ora et labora desenvolveu tecnologias de cultivo, preparo e conservação de alimentos.

4) O resgate da Espiritualidade Clássica não busca resultados, ou conquistar o mundo, muito menos ainda causar um impacto na Igreja. Ao contrário se remete ao simples, ao pequeno, ao fraco. Não é para ser marketeado, sistematizado, explicado, reproduzido. Não busca uma recompensa imediata. Não é para ganhar nada, mas um caminho para aqueles que amam o Pai, o Filho e o Espírito Santo, para aqueles que abriram mão do poder e querem simplesmente crescer na comunhão com Deus, ouvir sua voz e responder com dedicação e consagração.



A multiforme sabedoria de Deus não uma experiência de conhecimento que pertence a um indivíduo ou a um grupo, ou a movimento. Mas engloba o patrimônio de revelação de Deus através da História da Igreja. Ou seja, as muitas vezes que o Espírito Santo revitalizou, renovou, corrigiu, avivou e despertou o povo de Deus de seus desvios e acomodações ao longo dos séculos e através da nações, nas três confissões cristãs: Ortodoxa, Romana e Reformada.



Para isto há que se vencer o preconceito evangélico, que considera que tudo o que é católico é herético e, ao fazer isto, se auto-proclama dono da verdade. Assim rejeita o Pastor de Hermas, Clemente, Justino, Inácio de Antioquia, Orígenes, Policarpo, Pacomio, Antão, Bento, Atanásio, Crisostemo, Gergório Nazianzeno, Basilio, Agostinho, Bento, Bernardo de Claraval, Francisco de Assis, Tomas de Aquino, Catarina de Siena, Inácio de Loyola, Savonarola, João da Cruz, Tereza D’Ávila, Bartolomeu de las Casas, Tereza de Calcutá e muitos outros. Estou certo que a leitura dos pais orientais, dos santos místicos e dos doutores do passado e a apreciação do exemplo de suas vidas podem contribuir decisivamente para a Igreja do Século XXI.



E, claro, integrando com a contribuição de John Wyclif, Jun Huss, Lutero, Calvino, Zwinglio, George Fox, John Bunyan, John Knox, Conde Von Zinzendorf, John Wesley, Philip Jacob Spener, Geroge Whitefield, Charles Finney, Jonathan Edwards, D.L.Moddy, William Carey, Hudson Taylor, David Livinstone, Willian Both, Karl Barth, Paul Tillich, Dietrich Bonhoeffer, Martin Luther King, John Stott, René Padilha, Samuel Escobar e tantos outros.



Sim, sou um reformado evangélico: Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fide, Solus Christus, Soli Deo Gloria. E aberto para aprender e integrar a Espiritualidade Clássica na minha experiência cristã. Aprecio e sou edificado com o que aconteceu em Nicéia (325), Monte Cassino (529), Assis (1223), Wittenberg (1517), Westminster (1647), Azuza Street (1905), Medelin (1968) Lausanne (1974), e com outros momentos que o Espírito soprou na História da Igreja. E acho importante e promissor este diálogo entre a Reforma Protestante e a Espiritualidade Clássica, integrando o que é de bom nestes movimentos.



E prossigo no meu caminho: na intimidade com o Pai, sob a direção da Palavra e a inspiração do Espírito Santo; buscando a santidade de Cristo e, com a Igreja, anunciando o Evangelho e servindo aos pobres. E quando falho, me arrependo, experimento a graça perdoadora e recomeço. (Osmar Ludovico)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Liberdade e Intolerância



     Falar de liberdade é falar de um tema muito abrangente e, que por sua vez, demandaria muitas linhas para se dissecar sobre o assunto. Traçaremos apenas um breve relato sem nenhuma profundidade historiográfica sobre alguns acontecimentos que marcaram épocas, culminando numa cosmovisão cristã, a questão da  liberdade e intolerância.

     Todos sabem que a liberdade é uma conquista histórica. Por muitos séculos, a intolerância massacrou a vida de inúmeras pessoas tirando-lhes o direito de serem livres. A intolerância matou milhares de pessoas na "santa" inquisição, exercida pela igreja católica romana em nome de "Deus"; a intolerância matou centenas de huguenotes (protestantes franceses) sob o rei Carlos IX na França absolutista, não poupando nem as crianças de colo, na famosa carnificina da noite de São Bartolomeu, no sec.XVI.

     A intolerância matou milhares de pessoas nas famosas Cruzadas, lideradas pela Igreja Católica, com o intuito de "libertar" Jerusalém do jugo dos muçulmanos; a intolerância matou milhares de pessoas no fascismo de Mussolini na Itália, todos aqueles que não aceitavam o seu regime eram executados. A intolerância matou pelo menos 6 milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial sob o Nazismo de Hitler, sem contar com a morte de milhares de homossexuais, iugoslavos, eslavos, soviéticos, deficiente físicos e mentais, chineses, japoneses, alemães, americanos, ingleses, civis entre outros. Totalizando o número de mais de 60 milhões de mortos. A intolerância matou cerca de 20 milhões pessoas no regime comunista da antiga União Soviética, sob Lênin e Stálin; a intolerância deixou a Alemanha dividida por um muro, chamado Muro de Berlim, para que as idéias capitalistas não afetassem as do socialismo.

     A intolerância matou mais de 400 pessoas na Ditadura Militar aqui no Brasil sob torturas e humilhações; a intolerância matou inúmeras pessoas em várias partes do mundo, e ainda mata, como ocorre atualmente nos países Árabes. Sabe por que todas essas pessoas morreram e outras ainda morrem? Pelo simples fato de pensarem diferente ou não se enquadrarem ao escopo ideológico de seus sistemas vigentes. Quando eu disse acima que a liberdade é uma conquista histórica, tenho em mente todos esses fatos que apenas resumi aqui, pois não daria para falar de todos.

    Ainda que haja pessoas que são escravas de sua liberdade por não saber usá-la, pois por serem livres se esquecem que não possuem apenas direitos, mas também deveres, porém, acho uma benção hoje podermos ser livres para pensarmos e tomarmos decisões. E Jesus é essa liberdade, ele não força ninguém a ir para o céu nem para o inferno. Como diz as Escrituras: "Não por força, nem por violência, mas pelo meu Espírito" (Zc 4.6). Jesus é educado e deixa cada um decidir o que quer, porque a verdade que liberta, é livre da intolerância. Quem ama não impõe, nem aprisiona, mas deixa livre: "Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele" (Ap 3,19). Claro que isso não quer dizer que temos que nos calar diante do pecado, não estou dizendo isso. Estou dizendo que amor e intolerância não se combinam. Mesmo que amar seja dizer a verdade: “Melhor é a repreensão aberta do que o amor encoberto.” (Pv 27:5). Entretanto, uma das maneiras que Jesus usou para alcançar os excluídos, como os samaritanos, os publicanos, os cananeus e os pecadores - que eram marginalizados pela tradição religiosa da época - foi convivendo com as diferenças, mostrando que somos todos iguais diante de Deus. Assim os atraía para os seus ensinamentos, falando a verdade, mas com amor e respeito.

    As vezes achamos que as pessoas têm que pensar como nós, agir como nós, ter os mesmos costumes que os nossos, como se fôssemos "especiais e absolutos" e quem não faz parte do nosso mundo, excluímos. Tal como os farizeus faziam. Se Jesus fosse agir assim conosco estaríamos perdidos, pois não há quem se salve, se não for pela misericordia dEle "As misericórdias do Senhor são as causas de não sermos consumidos, porque as Suas misericórdias não têm fim" (Lm 3:22). Mesmo que Ele exija santidade de nós, continua sendo humilde e respeitador. O mais irônico é que a maioria das vezes que vemos Jesus falando duramente, foi com os religiosos intolerantes que se sentiam os donos da verdade . Já pararam para pensar nisso?

     Enfim, façamos nossa parte de cristãos, anunciando a Jesus e seus mandamentos e, principalmente, o amor, que é o maior deles. Consequentemente, respeitando ao próximo, porque não possuímos a verdade, falamos da verdade que é Cristo, que está em nós ou pelo menos deveria estar. Este sim, é Absoluto, Imultável, Perfeito. Porém nós, somos humanos, limitados, falhos, imperfeitos e suscetíveis a mudanças, pois não somos absolutos, estamos em processo de melhoramento. Como disse Voltaire, um grande filósofo do século XVIII "A primeira lei da natureza é a tolerância; já que temos todos uma porção de erros e fraquezas."


Então, que vivamos a liberdade de Jesus, e digamos: "Não à intolerância!" Todavia não para pecarmos, mas para transformarmos o mundo pelo amor de Cristo. "Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade. Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.", (Gl 5:13-14).

  Termino citando-lhes as palavras de Agostinho de Hipona: "Quem é bom, é livre, ainda que seja escravo. Quem é mau é escravo, ainda que seja livre."  Um abraço a todos!    (Josias Silva)

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Eu vejo Deus...



Eu vejo Deus na pureza de uma criança, na singeleza de uma flor, nas cores inalditas do arco-íris, na imensidão do oceano, no som mar esbravejante, nas maravilhas da natureza e no infinito do universo. Sim, eu vejo Deus. Eu vejo Deus, no esplendor da aurora, na brisa da manhã, no sol que nasce para o rico e para o pobre, para justo e o injusto, no ar que repiramos e na vida que há em nós. Sim, eu vejo Deus.

Eu vejo Deus na perfeição do corpo humano, na caridade que ainda existe, no amor que é inexplicável, na família reunida, na diversão sadia entre amigos, no prazer de saboriar, na ternura do luar. Sim, eu vejo Deus. Eu vejo Deus na dor que há saudade, na magia da lembrança, no encanto da esperança, no sorrir de alegria, nas lágrimas de emoção, na inspiração do poeta, nas notas de uma canção, e na simples melodia que nos aquece o coração. Sim, eu vejo Deus. Mas o vejo, principlamente, quando percebo que tão grandes coisas, são tão pequenas e efêmeras, comparadas a grandeza da existência desse Deus.

Quando falamos de Deus, falamos de nós mesmos: do que vemos, do que tocamos, do que sentimos, pois somos apenas reflexos dEle " Façamos o homem a nossa imagem e semelhança" Gn 1:26. Nós o vemos sob a ótica humana, logo, limitada. Paulo disse: "Pois agora enxergamos num espelho, em enigma; um dia porém, veremos face a face " 1Co 13:12. Longe do dogmatismo teontológico de quem Ele é, (pois há quem pense que sabe até o número do sapato que "Deus" usa) resta-nos apenas pensamentos voláteis a respeito do incognoscível, do inimaginável, do absoluto, do perfeito.

Para finalizar deixo-lhes uma frase de Fenelón: “Tu és tão grande e tão puro em tua perfeição, que tudo o que suponho de meu na ideia que tenho de ti faz com que imediatamente não seja mais tu mesmo. Passo minha vida a contemplar teu infinito; vejo-o e não poderia duvidar dele: mas assim que quero compreendê-lo, escapa-me, não é mais ele, torno a cair no finito. ”.

Por isso, ainda que de maneira tênue, entre o real e o inimaginário, posso dizer que: Eu vejo Deus...        ( Josias Silva)
Ocorreu um erro neste gadget